FPN e USP assinam protocolo que beneficia nadadores portugueses nos EUA

  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

A Federação Portuguesa de Natação (FPN) e a University Sports Program (USP) assinaram um protocolo para que nadadores portugueses possam continuar as suas carreiras desportivas beneficiando do enquadramento técnico existente nas Universidades dos Estados Unidos com acesso a bolsas de estudo, anunciou a Federação Portuguesa de Natação.

“Os nadadores que apresentem os requisitos académicos e desportivos exigidos pelas universidades americanas poderão continuar a sua formação e melhorar suas capacidades competitivas de natação nas melhores universidades do mundo”, lê-se no site da FPN.

O presidente da FPN, António José Silva, ao estabelecer este acordo, considerou que a USP “difere nos métodos estratégicos de colocação de jovens atletas nas universidades de maior prestígio nos EUA”, destacando “o envolvimento abrangente e individual”.

Já para Thomas Anderson, “as oportunidades são muitas e vão para além das bolsas desportivas”.

A FPN e a USP realizarão uma série de ações para promover as diferentes opções disponíveis nos Estados Unidos para nadadores portugueses na faixa etária de 14 a 19 anos. Entre as atividades programadas, serão realizados seminários para conscientizar atletas, pais e técnicos sobre as operações do sistema desportivo universitário e as oportunidades que oferecem para atletas estrangeiros. Da mesma forma, a USP atuará como consultor direto da FPN em qualquer tópico relacionado à natação universitária nos EUA.

Através deste acordo, a USP concederá anualmente uma bolsa integral ao melhor nadador português classificado pela FINA. Esta bolsa cobrirá o custo de inscrição para participar do primeiro Evento de Natação do USP College.

Desde 1995, a USP administra a colocação de mais de 1900 estudantes-atletas, obtendo mais de 45 milhões de dólares em bolsas de estudo desportivas e académicas.

Para isso, a USP conta com a colaboração dos treinadores mais reconhecidos do país, que entendem a importância que seus alunos continuam com sua carreira académica.

O presidente e fundador da USP, Thomas E. Anderson, destacou o desejo de ajudar as novas gerações de nadadores portugueses a aumentar suas possibilidades de sucesso ao combinar estudo e a natação em universidades americanas.

O segundo vetor desta iniciativa, lançado pela FPN e USP, terá como objetivo os nadadores luso-descendentes até à terceira geração. O programa Nadar por Portugal (NPP) irá enquadrar no sistema de alto rendimento nacional, nadadores com capacidades para representar as cores da bandeira Portuguesa nas grandes competições internacionais.

Comentários