CAR de Coimbra: A Primeira Braçada

  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Finalizados os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, as Federações começaram a refletir, estruturar, planear e desenvolver projetos para que em Tóquio Portugal consiga alcançar melhores resultados desportivos.

O funcionamento do Centro de Formação para o Alto Rendimento em Rio Maior tem enriquecido os seus intervenientes diretos, tanto nos bons como nos maus momentos, e ainda por cima com muito bons resultados desportivos (tema já abordado numa crónica anterior).

Assim, com ambição e ousadia, a Federação Portuguesa de Natação, a Universidade de Coimbra via gabinete de desporto, a Câmara Municipal de Coimbra e a Associação de Natação de Coimbra propõem dar uma braçada mais potente com vista à criação do 1º Centro de Treino Universitário de Natação em Coimbra. Penso que não se trata apenas do primeiro na modalidade, mas sim do primeiro de todas as modalidades. Caso as intenções e objetivos se concretizem poderá mesmo ter um efeito catalisador para outras modalidades e Universidades.

Vamos todos torcer para que no final do ciclo olímpico os nadadores que o integrem consigam alcançar as tão desejadas finais olímpicas.

Para dar mais credibilidade e visibilidade, estou certo que, até ao final desta época, todos poderão ter acesso a informações sobre o funcionamento do mesmo em termos do contexto social (condições de vida, estabilidade emocional, reconhecimento social, perspetivas futuras) e contexto de treino (dedicação prioritária, apoio tecnológico, apoio científico, estruturas/equipamentos e apoio técnico) que iremos encontrar neste centro.

Certamente que serão disponibilizados documentos com os seguintes conteúdos:

– Estruturação do apoio na área da Biomecânica no sentido de planear (estabelecimento de parâmetros a avaliar, desenho de linhas de observação e medida e procura de valores de referência), registar (recolha de vídeos e dados mecânicos), analisar (processamento dos dados qualitativos e quantitativos obtidos através de diferentes instrumentos de medida), diagnosticar (comparação com resultados anteriores ou com valores de outros nadadores, reforço dos melhores resultados obtidos e correção dos erros técnicos), Informação ao nadador e técnico responsável (informar os resultados relevantes e definição de propostas de exercícios para correção dos pontos negativos).

– Estruturação do apoio na área da Fisioterapia no sentido de planear intervenção na área da prevenção de lesões, na área de reabilitação de lesões obtidas ou na área de recuperação após o esforço.

– Estruturação do apoio na área da Psicologia com o objetivo final de rendimento individual no máximo das capacidades de cada nadador. Intervenções ao nível de alterações na maneira de ser e de fazer.

– Estruturação do apoio médico no que diz respeito a procedimento de exames médicos de rotina, identificação de fatores de risco, definição de apoios ao nadador em viagens competitivas (alimentação e suplementação, alterações do fuso horário, abordagens pré-competitivas) e diagnóstico e tratamento de problemas de saúde.

Estes são alguns exemplos de documentos e procedimentos que certamente serão desenvolvidos e darão credibilidade à parte desportiva do projeto e servirão de incentivo à inclusão dos nadadores neste 1º Centro de Treino Universitário de Natação Universitário em Coimbra.

Com a possível expansão deste projeto a novas modalidades, muitos dos serviços multidisciplinares referidos, face à dimensão de atletas que o poderão constituir, mais fácil e rentável será a criação de uma Unidade Multidisciplinar de Apoio ao Alto Rendimento para dar resposta a todas as necessidades deste tipo de atletas.

Muitas questões ficarão ainda por resolver e por aplicar, mas com uma reflexão continuada, e com a humildade e ousadia necessárias, a seu tempo as melhorias nos serviços começarão a dar os resultados que ambicionamos.

No futuro, um pouco mais além do que Tóquio 2020, poderemos eventualmente pensar como afirmou o Prof. Doutor António José Silva, numa crónica assinada por si, do dia 03-05-2017, no Espaço Universidade do Jornal A Bola (https://www.abola.pt/nnh/ver.aspx?id=669905).

Resumindo, apesar dos interessados (Natação Portuguesa) apenas conhecerem as ideias e as intenções, estou certo que o trabalho que ainda falta percorrer para pôr de pé este novo projeto não amedronte quem nele entrou com tudo e certamente que colocando mãos à obra dará a conhecer todos os pormenores até julho de 2017 e com o envolvimento de todos verá os seus frutos em Tóquio 2020.

Comentários